The Last of Us Parte 2 Vendeu mais de 4 milhões de unidades em 3 dias. Se tornando a melhor performance num jogo da Sony na PS4.

A Sony anunciou nessa sexta-feira 26/06/2020, que já foram vendidas mais de 4 milhões de cópias de The Last of Us Parte 2 em apenas 3 dias.

Esta nova marca foi alcançado entre 19 e 21 de Junho, tornando o jogo da Naughty Dog a melhor estreia para um jogo lançado exclusivamente na PlayStation 4.

Com este marco alcançado, Neil Druckmann da Naughty Dog deixou uma mensagem na qual agradece a todos os que jogaram The Last of Us Parte 2.

“Estamos incrivelmente agradecidos aos milhões de fãs em todo o mundo que jogaram The Last of Us Parte 2 e partilharam as suas experiências ao longo desta semana,” diz Druckmann.

The Last of Us Parte 2 foi possível graças aos esforços de centenas de talentosos e apaixonados trabalhadores na Naughty Dog. Não conseguimos imaginar maior honra do que ver a mesma paixão espelhada pelas pessoas que o estão a jogar.”

“Decidimos contar um novo tipo de história, uma que lida com temas difíceis e te iria desafiar de formas inesperadas. Ouvir como a experiência tocou tantas pessoas e assistir a discussões bem pensadas às quais deu origem tem sido incrível. Também fomos inspirados pela vossa criatividade, seja pelas vossas espantosas imagens tiradas no Photo Mode, GIFs gameplay de cair o queixo ou músicas que gravaram a usar a guitarra da Ellie.”

“Obrigado a todos por nos ajudarem a alcançar este marco espantoso”.

História de The Last of Us part II

The Last of US part II
The Last of US part II

Começamos o jogo ouvindo Joel contar a seu irmão, Tommy, o que aconteceu no hospital do qual ele eventualmente salvou Ellie do jogo original. Depois disso, o personagem se transforma em um incrível pôr-do-sol, talvez uma das mais belas paisagens de todo o jogo. Para não oferecer mais spoilers, vamos entrar na crônica de forma mais geral.

O jogo acontece cerca de 5 anos após o final do primeiro título. Por causa disso, Ellie, agora mais velha, busca sua independência ao lidar com os inconvenientes envolvidos com a superproteção de Joel, que a tem como filha, e com os conflitos internos envolvidos com a chegada da idade adulta.

Ellie não tem uma relação de parceria com Joel. Eles vivem em harmonia e ocasionalmente fazem patrulhas para garantir a limpeza dos arredores e para evitar que os monstros criados pelos fungos se aproximem do local. Em uma dessas patrulhas, um evento imprevisível faz com que Ellie mude completamente seus planos de vida.

Em resumo, ‘The Last of Us 2’ é um jogo de vingança. No entanto, não se trata apenas disso. O enorme eixo do título, assim como o anterior, é a história e como ela é realizada de acordo com a evolução dos personagens. As situações com as quais ela se depara são a ajuda para moldar os pensamentos de Ellie relacionados a diferentes questões, bem como os nossos próprios pensamentos.

Isto mostra o cuidado de Naughty Dog em gerar um título com o qual o jogador possa se identificar e simpatizar com o destino de alguns desses personagens. É bastante difícil discutir grande parte da história sem oferecer spoilers, no entanto, em um certo ponto, é até possível questionar se estamos do lado certo da discussão.

Mesmo que não pareça assim, a história tem uma conexão direta e bastante intensa com a primeira. Uma vez exposta a enorme motivação do vilão, tudo o que produzimos para chegar até ele passa como uma fita em nossa cabeça, além de nossa mandíbula cair. Tudo isso pode ser atribuído a um roteiro bastante competente que sabe para onde quer levar o jogador, mesmo que não lhe apeteça.

Jogabilidade de The Last of Us part II

Ellie
Ellie

Aqueles que jogaram o primeiro título não devem ter grandes inconvenientes relacionados ao movimento de Ellie. As ocupações são fundamentalmente as mesmas, exceto pela adição de um comando dedicado a esquivar-se. Usando “L1”, você pode esquivar-se do ataque dos inimigos, sejam eles humanos ou infectados.

Outra novidade é que o jogo inteiro acontece em um ambiente semi-aberto. Isto é bom para aqueles que gostam de explorar lugares e conhecer melhor o ambiente. Entretanto, mais do que isso, estes cenários maiores são gigantes no confronto.

No jogo é possível adotar 2 abordagens: furtivo e “rambo”. Na primeira delas, temos a oportunidade de percorrer as regiões furtivamente, sem atrair a atenção dos inimigos, o que é uma tarefa bastante complicada. Na segunda, há a probabilidade de atirar em cada uma das peças, porém, isto faz com que vários inimigos o ataquem simultaneamente. O ideal é encontrar um equilíbrio entre as duas abordagens. Descobrir a igualdade é ideal para sobreviver ao extenso mundo do jogo.

Em uma região residencial, por exemplo, se um inimigo o descobre, ou você atira nele, todos os outros serão notificados de sua localização. No entanto, você pode correr e se esconder em outro lugar, como deitado na grama, em moradias, em cantos escuros e até mesmo embaixo de edifícios. Com isto, eles perderão rapidamente o interesse e voltarão às suas ocupações anteriores, dando-lhe mais tempo para pensar em novas táticas para continuar.

Para isso, o arsenal presente é extenso e permite ao jogador escolher a maneira de matar os inimigos. Há pistolas com silenciadores caseiros, metralhadoras, arco e flecha e espingardas. Nos cenários há bancos espalhados que permitem a atualização de equipamentos. Você pode aumentar a capacidade do pente, aumentar visando uma maior precisão e aumentar o efeito da bala.

Há também dispositivos que ajudam a escapar de situações desesperadas, tais como bombas de pregos caseiras, explosivos de fumaça e até coquetéis Molotov que atingem vários inimigos ao mesmo tempo. Todos eles têm a possibilidade de serem criados a partir de materiais encontrados no palco.

Uma seção interessante, pelo menos na complexidade habitual, é a copiabilidade de tais suprimentos. Mesmo após uma luta difícil, é possível encontrar material para substituir quase tudo que foi usado – claro, se você explorar bem.

Gráficos, mapas e bugs de The Last of Us part II

The Last of Us Parte 2 Vendeu mais de 4 Milhões de Unidades em Apenas 3 dias
The Last of Us Parte 2 Vendeu mais de 4 Milhões de Unidades em Apenas 3 dias

Os gráficos são sensacionais, talvez o melhor da geração. Há um grau de detalhe ilógico, tanto nas plantas que invadem o ambiente urbano quanto nos inimigos.

Falando em pesquisa, o jogo dá, como já foi dito, um mundo semi-aberto para ser explorado, permitindo ao jogador caminhar da maneira que quiser. Ao entrar em casas e propriedades acessíveis, além de suprimentos, é comum descobrir cartas e anotações que apóiam o que aconteceu com os moradores ou que ali se refugiaram.

Isto torna o jogo mais imersivo, permitindo que o jogador imagine o que aquela pessoa sofreu antes do fim. Isto porque, na maioria das vezes, tais documentos permanecem com qualquer corpo humano.

Como nem tudo é perfeito, eu encontrei certos insetos enquanto jogava. Felizmente, nada que comprometesse demais a jornada. É comum ver arbustos e recursos paisagísticos que só aparecem uma vez que o personagem está próximo. Em outro caso, um bug ocorreu quando entrei em uma propriedade com Ellie e fui direto para um banco de upgrades.

O apartamento possuía uma sala trancada na qual vários inimigos estavam escondidos e não conseguia abri-la quando me aproximei. Quando melhorei minha arma, o quarto abriu e um dos refugiados ali dentro me agarrou, causando um problema com o braço de Ellie.

Isto fez com que o braço da personagem se estendesse. Uma vez que seguramos a arma, ela estava em uma postura estranha. Isto só foi consertado recarregando o ponto de salvamento. Felizmente, este foi um evento único.

Não sei exatamente se isto se enquadra na categoria de insetos, mas o jogo parece reivindicar muito para a PlayStation 4. Ao longo do jogo, pude perceber que o console faz um som um pouco intenso. Aparentemente, este barulho está relacionado ao sistema de resfriamento do console. Isto não impede em nada a progressão da história, mas é algo interessante de se ver.

Inimigos de The Last of Us part II

Ellie the last of us
Ellie the last of us

Em comparação com o primeiro jogo, os inimigos são mais fortes, mais presentes e mais variados.
Alguns estão de volta, como os Runners e os Stalkers – admito que os ruídos feitos por estes últimos são irritantes, ainda mais para aqueles que usam fones de ouvido -. Entretanto, há também adições, como a situação dos Tropegos, inimigos com pústulas que liberam nuvens de gás ácido sobre o jogador.

Por falar em inimigos, não apenas os infectados permanecem presentes na viagem. Há 2 facções que são uma rocha no sapato de Ellie: o Serafim e o WLF, conhecidos como Marks e Wolves, respectivamente.

Os Serafins são um traje religioso radical que segue uma sacerdotisa. Suas práticas são bastante particulares, além de preferirem o uso de armas caseiras, como arcos e flechas, e andar furtivamente.

Os Lobos surgiram após a supressão de Luciérnagas, presentes no primeiro jogo. Aqui, vários dos membros foram treinados no uso de armas de fogo. Portanto, quando estiver com bandos gigantes, tenha cuidado, prefira ataques furtivos.

Uma boa iniciativa do Cão Maroto foi a de oferecer nomes a todos os inimigos que matamos. Isto me deixou atordoado na primeira ocasião em que matei alguém e me escondi depois. Um dos membros do conjunto que estava com o morto localizou seu corpo humano, chamou-o pelo nome e lamentou sua morte. Confesso que isso me fez sentir cáustico.

Conclusão

the last of us
the last of us

O jogo se encerra com uma chave de ouro para a geração, mesmo sabendo que ainda há títulos para lançar. É uma experiência exclusiva para voltar ao mundo de “O Último de Nós” e ver como os personagens amadureceram e mudaram em apenas 5 anos. É muito rápido dizer, mas o título é um profundo candidato a Jogo do Ano no The Game Awards.

Naughty Dog e Sony têm uma obra-prima de videogame em suas mãos. Mesmo sendo um jogo único, qualquer jogador pode reconhecer que estamos falando de um jogo muito competente e completo no qual ele é recomendado.

The Last of Us Parte 2 está disponível para Play Station 4 e poderá jogá-lo também no mais novo console da Sony o Play Station 5 quando for lançado.

Fonte: https://www.eurogamer.pt/